#
O Curso

Especialização em Homeopatia

O profissional homeopata necessita integrar as informações sobre o processo de adoecimento fornecidas pelo paciente com o conhecimento homeopático por meio de atitudes acolhedoras, empáticas e ser habilidoso na elaboração da prescrição do medicamento mais semelhante possível ao quadro clinico.


O Curo de Especialização em Homeopatia da EHC propõe-se a capacitar profissionais médicos, odontólogos e veterinários para que atuem com competência no restabelecimento do bem-estar de seus pacientes.


Durante dois anos, os aprendizes participam de atividades no formato EAD, com encontros presenciais e à distância, onde é utilizado como referencial as etapas de uma consulta clinica, por possibilitar uma maior familiaridade para o entrosamento do conhecimento que o aprendiz traz da sua experiência atual com o conhecimento a ser incorporado. São cinco tópicos centrais: Apresentação/Introdução; Tomada do caso; Compreensão do caso; Prescrição/Tratamento; Evolução/Seguimento. Os conhecimentos homeopáticos, organizados em três grandes eixos – teoria, prática, matéria médica (medicamentos), estão distribuídos nestas etapas da consulta, vinculados com a vivencia do atendimento ambulatorial, o que transforma o processo de aprendizagem num laboratório de incorporação de conhecimentos através de encontros dinâmicos e integrativos.



A METODOLOGIA DO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM



Um curso de especialização agrupa pessoas de diferentes idades, experiência profissional e cultura. Esta diversidade traz como desafio a construção de um grupo de aprendizes que, apesar das particularidades individuais, tem em comum a busca por uma ampliação da prática que exercem e o desejo de proporcionarem o restabelecimento da saúde de seus pacientes numa perspectiva sistêmica. Os professores, na qualidade de mediadores das aprendizagens, necessitam buscam despertar no aluno a curiosidade, o interesse e a proatividade, exigindo de todos iniciativa, adequação e criatividade.



O modelo da problematização, que tem por pano de fundo as metodologias ativas, consiste no estabelecimento de um ambiente apropriado às manifestações livres dos “aprendentes”, visando a realização de “encontros” entre mediadores (professores) e aprendizes. Adentra-se no modelo de construção de saberes e afasta-se da transmissão de conhecimentos. Cada aluno, como construtor do seu conhecimento, necessita contribuir com materiais que serão ajustados ao projeto em execução.



O professor/mediador, igualmente um dos construtores, necessita assumir um papel a mais como coordenador, aglutinador das contribuições e incentivador do movimento de apropriação em coerência com a teoria que embasa o conteúdo a ser apreendido. Este modelo exige do mediador um jogo de cintura na condução de todo o processo, valorizando e hierarquizando cada uma das manifestações dos aprendizes e, também, segurança pessoal além do domínio do conteúdo, para que ele (professor) possa ter liberdade para movimentar-se entre as manifestações dos participantes do encontro, estabelecendo associações e vínculos entre os diversos autores sem um roteiro rígido pré-estabelecido e, ao mesmo tempo, sem perder o foco de onde pretende chegar.



A junção de todos estes aspectos listados acima tem como resultado pessoas mais resilientes, dotados de empatia, numa abordagem integradora do adoecimento e do sofrimento dos seres vivos e, ainda, instrumentalizados para despertar, no paciente, o seu potencial de responsabilidade pelo próprio bem-estar.


Acesso
em manutenção